As Melhores Trilhas da Floresta da Tijuca

AS MELHORES TRILHAS DA FLORESTA DA TIJUCA

Veja aqui dicas sobre as melhores trilhas da Floresta da Tijuca no Rio!

O Rio de Janeiro realmente é uma cidade maravilhosa, abençoado com altas montanhas, lagoas e praias. O Parque Nacional da Tijuca é a maior floresta urbana do mundo, onde podemos curtir lindos visuais, trilhas e atrações. Neste post vou dar minhas dicas das melhores trilhas da Floresta da Tijuca. Gosto muito de todas as 6 que estou recomendando, especialmente por serem uma seleção muito pequena perto de todas as possibilidades do parque. Mas tendo que enumerar as opções, confesso que foi um pouco por ordem de preferência sim, então vamos começar com a minha favorita, a Pedra da Gávea.

1) Pedra da Gávea

As melhores trilhas do Rio de Janeiro

Trilha da Pedra da Gávea, uma das melhores trilhas da Floresta da Tijuca

A trilha da Pedra da Gávea é uma das mais fortes do Rio de Janeiro, mas também uma das que traz mais recompensas. Diz-se que a Pedra da Gávea é a maior montanha de granito na beira do mar do mundo. Sendo ou não sendo, ainda é um baita monumento natural e uma das montanhas mais impressionantes do Rio de Janeiro.

A Pedra da Gávea tem 844 metros de altitude e fica “entre São Conrado e a Barra da Tijuca”, no Setor C do Parque Nacional da Tijuca, que também engloba a Pedra Bonita. A subida é bem íngreme e leva aprox. 2:30 horas. Recomenda-se um bom preparo físico e uma certa disposição para encarar a famosa Carrasqueira, um trecho de pedra perto do cume com uns 15-20m de extensão.

Se você tiver intimidade com a montanha, pode subir sem guia. Se não conhecer legal a trilha ou não se sentir confortável em alturas, é bom contratar alguém leve equipamento de segurança para a Carrasqueira. Recomendo a RioXtreme, operadora de turismo de aventura carioca. O visual do topo é alucinante demais. Tente começar cedo para evitar o calor e o “crowd” na Carrasqueira. A trilha da Pedra da Gávea começa no final da Estrada Sorimã, na Barra da Tijuca.

2) Bico do Papagaio

Conheça as trilhas da Floresta da Tijuca

Bico do Papagaio no Parque Nacional da Floresta da Tijuca

O Bico do Papagaio sem dúvida está entre as melhores trilhas da Floresta da Tijuca. Com 987 metros de altitude, é uma das montanhas mais bonitas da cidade. Olhando de longe não parece nada demais, mas quando se chega perto, aquele pequeno pico de pedra se transforma em um gigante monumento. A trilha é moderada e pode cansar quem não tiver preparo. Com um bom preparo, é tranquila e leva aprox. 1:30 horas até o topo.

A trilha do Bico do Papagaio começa no Bom Retiro, o ponto mais alto que se chega de carro no Parque Nacional da Tijuca. A entrada no parque é pelo setor A, atrás da Praça Afonso Viseu, no Alto da Boa Vista. A trilha é bem marcada e não precisa de guia. A primeira parte da caminhada é a mesma do Pico da Tijuca, mas após uns 20 mins bifurca e você deve seguir a placa para o Bico do Papagaio.

Quando chegar no cume, não deixe de explorar, para conseguir o visual da foto acima. Você precisa descer uma seção de pedra e depois passar agachado ou deitado por uma fenda para acessar o local onde cheguei. Vale a pena, esse é O visual!

3) Pedra Bonita + Rampa de Voo Livre

As melhores trilhas da Floresta da Tijuca

Trilha do Pico da Tijuca com visita à Rampa de Voo Livre, uma das melhores trilhas do Rio

A Pedra Bonita fica no mesmo setor da Floresta da Tijuca que a Pedra da Gávea, o Setor C. Pensando na relação esforço por visual, sem dúvida é uma das melhores trilhas da Floresta da Tijuca e do Rio de Janeiro! A trilha da Pedra Bonita é fácil e leva aprox. 30 mins até o topo. O visual é sensacional, de frente para a Pedra da Gávea e com vista para a Zona Sul, a floresta e a Barra da Tijuca. O cume tem 693 metros de altitude.

Separe um tempo extra neste passeio para curtir a rampa de voo livre, pertinho de onde você vai estacionar o carro. É a maior curtição ver as decolagens de asa delta e parapente. A subida é pela Estrada das Canoas, em São Conrado, mas você também pode chegar por cima, se já vier por alguma estrada da Floresta da Tijuca. A subida da trilha fica logo antes do estacionamento, marcada por uma cabine do parque nacional.

Se quiser fazer o passeio mais completo ainda, tem também a trilha da Agulinha da Gávea que começa do lado da escadaria que leva pra rampa de voo livre. É uma trilha curta e íngreme, de aprox. 15 minutos. O cume não é tão espaçoso nem confortável, mas vale o confere.

4) Pico da Tijuca + Tijuca Mirim

Parque Nacional da Floresta da Tijuca

Pico Tijuca-Mirim no caminho do Pico da Tijuca, Parque Nacional da Tijuca

O Pico da Tijuca é a montanha mais alta da Floresta da Tijuca, com 1021 metros de altitude. Só não é a mais alta da cidade do Rio de Janeiro por conta do Pico da Pedra Branca, na Zona Oeste, que tem 1024 metros. A trilha começa também no Bom Retiro, no Setor A do parque, assim como a do Bico do Papagaio. Na bifurcação, com 20 mins de trilha, basta seguir a placa para o Pico da Tijuca. Esta trilha é leve / moderada e leva aprox. 1 hora até o topo.

Já mais perto do cume, você vai ver uma placa para a esquerda dizendo “Pico Tijuca-Mirim”. Vale a pena o desvio, que leva uns 5 mins apenas. Dali, a vista é até melhor que a vista do Pico da Tijuca, mais aberta e de frente para a Zona Norte da cidade e várias montanhas da floresta. Depois basta voltar até a trilha principal e chegar no topo do Pico da Tijuca, passando pela clássica escadaria de pedra. Do cume da montanha mais alta da Floresta da Tijuca, o visual da imensidão da floresta é a principal recompensa, razões pelas quais o Pico da Tijuca está entre as melhores trilhas da Floresta da Tijuca.

5) Cristo Redentor + Parque Lage

Parque Nacional da Tijuca, Floresta da Tijuca

Mansão do Parque Lage

O Cristo Redentor é sem dúvida uma das imagens mais conhecidas do Brasil e da América Latina, então não podia ficar de fora das melhores trilhas da Floresta da Tijuca. A famosa estátua de 38m de altura fica no topo do Morro do Corcovado, a 710 metros de altitude, no setor B do Parque Nacional.

A trilha do Cristo Redentor começa no Parque Lage, na Rua Jardim Botânico. Lá dentro, basta perguntar aos vigias que você acha fácil o começo da trilha, marcado por uma guarita do PNT. A subida leva entre 1:30h e 2 horas, dependendo do seu preparo. O começo da trilha é mais leve e pegando a primeira bifurcação pra direita, você passa por algumas cachoeiras, vale a pena. Da metade em seguida a trilha fica bem mais íngreme. Antes de começar a trilha, ainda no Parque Lage, não deixe de visitar a bela mansão antiga (da foto).

Perto do cume, você vai cruzar o trilho do tremzinho do Corcovado. Basta atravessar o trilho que a trilha segue bem em frente, e você termina a caminhada pela estrada que as vans usam para acessar o monumento. Lá em cima, é preciso comprar entrada por aprox. 28 reais. Para não se enrolar nas bifurcações do começo da trilha, você também pode contratar a RioXtreme, com ótimos guias.

6) Cachoeiras do Horto

Parque Nacional da Floresta da Tijuca

As melhores trilhas da Floresta da Tijuca

Para não dizer que “só o cume interessa”, vamos fechar com as quase-secretas Cachoeiras do Horto, pouco conhecidas por turistas, mas bastante frequentadas pelos cariocas, muitas vezes como um pós-praia para adocicar a vida. As opções na Floresta da Tijuca são quase infinitas, mas as principais cachus do Horto podem ser conhecidas em duas trilhas diferentes. Ambas são acessadas pela Rua Pacheco Leão, no Jardim Botânico.

A primeira opção são as Cachoeiras do Quebra e do Chuveiro. A trilha começa à direita (pra quem sobe) na beira da Estrada da Vista Chinesa, onde já vemos a Cachu do Quebra. Subindo esta trilha, você conhece outras cachoeiras e depois sai de novo na estrada, em outra saída mais pra cima. Pode descer pela estrada de volta que você vai encontrar a Cachu do Quebra. A segunda cachoeira é uma das mais famosas e bonitas, a Cachoeira do Chuveiro.

Outra opção também no Horto são as cachoeiras do Solar da Imperatriz. Basta seguir a Rua Pacheco Leão até o final que você vai encontrar o Horto Florestal, ou Solar da Imperatriz. A trilha que começa ali tem várias bifurcações e leva à várias cachoeiras. Pode explorar, mas com bastante cuidado pra não se perder, é bastante comum encontrar pessoas perdidas por ali.

Abaixo uma galeria com fotos variadas dos picos recomendados. Espero que goste!

E para finalizar, como estou recomendando as melhores trilhas da Floresta da Tijuca, aqui vão algumas informações úteis sobre o Parque Nacional:

Horário de visitação: 8h às 17h (18h no horário de verão)

Telefones: (21) 2492-2252 / (21) 2492-2253

Site oficial: www.icmbio.gov.br/parnatijuca

Como em qualquer ambiente natural, seja consciente das suas ações. Não faça barulho, leve seu lixo de volta e respeite a natureza. E aproveite a Floresta da Tijuca, ela é nossa!

Highline in Rio de Janeiro, Tijuca Forest, Pedra da Gávea

HIGHLINE IN RIO DE JANEIRO

Slackline in Rio de Janeiro, Brazil

Highline in Rio de Janeiro, Pedra da Gávea, Feliciano Marques on the first sun light at dawn!

Highline in Rio de Janeiro, Pedra da Gávea, Tijuca Forest

Highline in Rio de Janeiro has been one of my recent obsessions. This city is so amazing for highliners, with so many breathtaking mountains and insane scenarios. One of my favorite is, of course, Pedra da Gávea mountain, the best for highline in Rio de Janeiro. This huge granite mountain is Rio’s toughest hike, taking around 2-3 hours to the top. It’s summit stands at 844m/2770ft of altitude and offers the most amazing view to both South and West sides of town. On the way up there’s a short rock climb, very easy and quick for the experienced, you don’t need climbing gear, it’s just a scramble aprox. 15m/45ft long and always positive. A couple of years ago when shooting photos of Highline in Rio de Janeiro also in Pedra da Gávea, I got to know the folks from Nação Cadena, a brazilian highline team. They are great athletes from all around the country and I’ve been tracking them ever since. Last weekend the mission was to go again up to Pedra da Gávea and spend the night on the top, for some sunset and sunrise photos of highline in Rio de Janeiro. Carrying tons of photo gear, water and food was no easy task, but definitely worth it. I was able to get some amazing shots of highline in Rio de Janeiro during the sunset, then a few more using a side flash when the dusk came. During the night, which I spent with my lovely girlfriend under the stars, I shot some night pics from above the city while thinking of the sunrise to come. The result was great and I could get some perfect images of the 3 highline in Rio de Janeiro lines. One of them faced the West side of town, and the two others faced the south. Perfect light on both sides, all perfect, the feeling is so awesome! Check my gallery below for some photos of highline in Rio de Janeiro, hope you like it!

Highline in Rio de Janeiro tem sido uma das minhas obsessões recentes. Essa cidade é tão incrível para a turma do slackline, com tantas montanhas e cenários deslumbrantes. Um dos meus preferidos, claro, é a Pedra da Gávea, a melhor para highline in Rio de Janeiro. Essa montanha enorme de granito é a trilha mais pesada do Rio de Janeiro e leva aprox. 2-3 horas até o topo. O cume fica a 844m de altitude e a vista é incrível para a Zona Sul e Zona Oeste da cidade. Na subida, passamos pela famosa Carrasqueira, um trecho de pedra fácil para quem tem experiência, não precisa de equipamento de escalada. Dois anos atrás, quando eu estava na Pedra da Gávea fazendo fotos de highline no Rio de Janeiro, conheci a turma do Nação Cadena, uma equipe de highline brasileira com vários integrantes. São grandes atletas e desde então fiquei no pé deles, acompanhando várias missões e rendendo altas fotos! Na semana passada a missão foi subir a Pedra da Gávea de novo, desta vez para passar a noite no topo e pegar cliques no pôr do sol e no nascer do sol. Subir a trilha da Pedra da Gávea com toneladas de equipamento fotográfico, água e comida não foi fácil, mas com certeza valeu a pena! Consegui algumas fotos incríveis de highline in Rio de Janeiro durante o pôr do sol e logo em seguida usando um flash lateral, quase sem luz nenhuma mais. Durante a noite, que passei com minha linda namorada sob as estrelas, fiz algumas imagens boas da cidade vista de cima e quase não consegui dormir pensando nas fotos da próxima manhã. O resultado ficou sensacional e a luz foi perfeita, nas 3 linhas armadas, duas de frente pra Zona Sul e a linha clássica, de frente pra Barra da Tijuca. Consegui pegar o Feliciano Marques no primeiro sol do dia, acho que é minha foto preferida de highline in Rio de Janeiro. Veja minha galeria abaixo, espero que goste. Deixe seu comentário!

Highline na Pedra da Gávea, Rio de Janeiro!

Highline na Pedra da Gávea, Floresta da Tijuca

Sábado passado colei numa galera brabíssima do highline e tive o prazer de fotografá-los no cume da Pedra da Gávea, uma das montanhas mais insanas do Rio de Janeiro. O highline na Pedra da Gávea foi armado com uma fita de frente pra Zona Sul e outra pra Zona Oeste, garantindo fotos espetaculares pros dois lados! Além de muita concentração e coragem, a galera esbanja conhecimento de escalada e de técnicas de segurança. Pra apimentar a brincadeira, tinha uma frente fria de sudoeste entrando no final da tarde, com altos ventos e nuvens, exigindo ainda mais experiência dos atletas. Para quem não conhece o termo, o highline (também chamado de high-line ou high line) é uma vertente do slackline, quando praticado nas alturas. É muita disposição! Fica aqui uma salva de palmas pros atletas Gustavo Fontes, Matheus Barros, Alexandre Anshul e Gustavo Camargo. Obrigado pelo convite e contem comigo para documentar as próximas investidas!

Slackline and Highline in Rio de Janeiro, Pedra da Gávea, Tijuca Forest!

Last Saturday I had the chance of documenting some of Brazil’s top highline athletes on the summit of Pedra da Gávea, one of the most insane mountains in Tijuca Forest, Rio de Janeiro. The highline in Pedra da Gávea was set in two spots, one facing the South Zone and the other the West Zone, which allowed for amazing pics with different backgrounds! Besides a lot of focus and of course guts, these guys are natural climbers who know all about safety techniques. To spice things up, there was a windy and cloudy weather rolling in, demanding even more focus from the athletes. For those not familiar with the term highline (aka high line or high-line), it is an “evolution” of the slackline, when practiced in high places and mountains. Not for the faint of heart! Thanks again to Gustavo Fontes, Matheus Barros, Alexandre Anshul and Gustavo Camargo for showing me this amazing extreme sport! You can always count on me to document your next assignments!