SUP na Restinga da Marambaia, Rio de Janeiro

SUP na Restinga da Marambaia

Aluguel de Stand Up Paddle na Restinga da Marambaia

SUP NA RESTINGA DA MARAMBAIA

Saiba tudo sobre o SUP na Restinga da Marambaia, Rio de Janeiro!

Final de semana passado finalmente fui fazer um programa que estava há tempos na minha lista, o SUP na Restinga da Marambaia, Zona Oeste do Rio de Janeiro. Como era um domingo de sol, saí cedinho de casa e já estava em Barra de Guaratiba às 9am. Achei que fosse ser difícil conseguir lugar e horário em uma das operadoras locais. Na verdade, as operadoras de SUP na Restinga da Marambaia não fazem passeios com hora marcada, eles apenas alugam pranchas e o pessoal se vira por conta própria. Sendo assim, descobri que não precisa chegar tão cedo para conseguir alugar prancha. De qualquer forma, recomendo chegar cedo, para pegar o SUP na Restinga da Marambaia mais vazio, com o sol mais baixo e também para conseguir vaga. Paramos em um estacionamento particular bem perto das operadoras que nos cobrou 20 reais para passar o dia. Notamos que logo depois já não havia mais vagas, pois Barra de Guaratiba fica lotada de gente indo fazer a trilha da Pedra do Telégrafo. Cuidado!

Em Barra de Guaratiba, há várias opções para aluguel de pranchas e SUP na Restinga da Marabaia. Uma das primeiras é o Clubinho Marambaia SUP, mas achei meio “pop” e preferi continuar andando. A partir deste clube, se você descer mais a Estrada Velha da Barra de Guaratiba em direção ao mar, vai encontrar várias opções à sua direita, na beira da restinga, como por exemplo a Casa do Remo e o EcoMarambaia. Acabamos optando pela EcoMarambaia. Eles tem um deck na beira da restinga e o acesso é feito descendo uma escadinha na estrada. Como sou fotógrafo profissional e queria levar câmera e lentes comigo para clicar o SUP na Restinga da Marambaia, optei por uma canoa, mais espaçosa e estável. Minha namorada foi de Stand Up Paddle, acompanhada por um simpático cachorro labra-lata que ficou nosso amigo na hora. O preço do aluguel de Stand Up Paddle na Restinga da Marambaia, em todas as operadoras, varia entre 60-80 reais para duas horas, por pessoa. Minha canoa de dois lugares seria mais barata, pois o preço foi o mesmo, mas cabem duas pessoas. Como fui sozinho, acabou dando no mesmo.

O passeio de SUP na Restinga da Marambaia é muito bom, vale a pena. A região é linda e preservada. Saindo do primeiro canal, mais próximo à Barra de Guaratiba, as águas já ficam limpas e o mergulho é uma delícia, principalmente mais perto do mar. Novamente, se for um final de semana ou feriado de sol, recomendo chegar cedo. No final da manhã tem centenas de pessoas para lá e para cá. Chegando cedo, você consegue desbravar os canais do manguezal e parar em uma prainha deserta tranquilamente. Para curtir sem problemas o SUP na Restinga da Marambaia, não esqueça o protetor solar, um boné ou camiseta. E para fechar o passeio com chave de ouro, nada como uma bela peixada em um dos vários restaurantes da região.

Rio de Janeiro Highline e Slackline

Slackline and highline in Rio de Janeiro, Brazil

Rio de Janeiro highline e slackline! Os melhores picos do Rio de Janeiro, Brasil!

Sempre fui apaixonado por fotos de natureza e esportes de aventura. Morando no Rio de Janeiro, com altos picos e montanhas, um esporte que chamou minha atenção recentemente foi o slackline e sua derivação mais radical, o highline. Tudo começou um dia no topo da Pedra da Gávea, quando soube que uma galera de Minas Gerais vinha aí armar um highline lá no alto. Subi a Pedra mesmo com muita nuvem vindo de sudoeste (chuva na certa) e foi quando fiquei impressionado com a habilidade e disciplina dessa galera. Armar o highline já é uma aventura em si, com um rapel insano ou outro. Mas o que chama a atenção mesmo é o cuidado com a segurança, o equilíbrio e a sagacidade corporal, e também a disciplina mental e concentração para encarar o desafio. Qualquer esporte que envolva essas características merece muito meu respeito! Desde então fico caçando essa rapaziada nas montanhas do Rio de Janeiro, sempre rendendo altas fotos! Curtas minha galeria de Rio de Janeiro Highline e Slackline!

I’ve always been crazy about wildlife and adventure sports photography. Living in Rio de Janeiro, surrounded by mountains and rocky peaks, one sport that caught my attention was the slackline, specially it’s most extreme variation, the highline. It all started one day on the top of Pedra da Gávea, when I heard some guys from Minas Gerais were coming to set a line up there. So there I went, even with a heavy cold weather rolling in (rain for sure!) and that’s when I got amazed with their skills and discipline. Setting up the highline is an adventure in itself, with a few insane rappels. But what really amazes me is their extreme care with safety procedures, highly skilled body balance and mental attitude and focus. Any sport that brings these features together deserves my full respect and appreciation! Since then I’ve been hunting those guys all around Rio de Janeiro, pics are always rewarding. Check out my Rio de Janeiro Highline e Slackline gallery!

Amazon Wildlife Photography, Brazil

Amazon Wildlife Photography

A Amazônia é a maior área verde do planeta, abrigo para incontáveis espécies exóticas, muitas ainda desconhecidas pela ciência. Sua incrível biodiversidade promove um orgasmo fotográfico, onde você pode ter qualquer lente, olhar para qualquer lado, e tem uma foto para ser feita. O que não quer dizer que não seja importante algum planejamento. O primeiro passo é fácil: escolha a Reserva do Mamirauá! Lá o negócio é sério, a mais pura experiência de uma Amazônia intocada possível. Você vai precisar voar para Manaus e depois para Tefé, uma pequena cidade no coração da Amazônia que gira principalmente em torno da pesca e de treinamento militar, com o Batalhão de Selva do Exército. De Tefé, são mais duas horas de lancha voadeira rio acima até chegar no Lago Mamirauá, na Reserva de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá. Se você ver alguns botos ou tucuxis pulando no caminho para o Mamirauá, não se preocupe, é assim mesmo. É um lugar incrível para fotografia de natureza na Amazônia. O Lago Mamirauá e seus entornos protegidos formam uma unidade de conservação gigantesca criada em 1999, fruto do trabalho de Luiz Claudio Marigo, fotógrafo de natureza, e José Márcio Ayres, biólogo. Enfim, traga suas grande angulares, suas lentes zoom, seu tripé, na verdade traz tudo! Uma grande angular é importante para um pôr do sol com centenas de jacarés-açu dentro d’água, e uma lente zoom essencial para closes em aves e outros animais. Traga uma macro/micro também, dá pra surtar com os insetos insanos, sapos e rãs. Se você leva a sério a fotografia de natureza, recomendo PELO MENOS 4-5 dias no lodge flutuante do Mamirauá. Quanto mais, melhor, lá o show nunca acaba. Você vai fazer principalmente passeios de barco e caminhadas na floresta. Os mosquitos não são nossos amigos, então planeje as roupas com cuidado. Passar um tempo na Reserva do Mamirauá foi uma das experiências fotográficas mais incríveis da minha vida (senão a mais incrível), recomendo muito para todos os fotógrafos de natureza, profissionais ou amadores! Lá em baixo vai uma seleção de 12 fotos minhas que eu gosto.

Brazilian Amazon Wildlife Photography

The Amazon is the largest green area in the planet, home to countless exotic species, many still unknown to science. It’s unbelievable biodiversity promotes a photographical orgasm, in which you can have any lens, look anywhere and there’s a photo to be made. That doesn’t mean you won’t need to do some planning, but it’s not that hard. First step in planning is: pick Mamirauá Reserve! This is the real deal, a true unspoiled Amazon experience created to last forever. You will need to fly to Manaus (Amazonas State capital city) and then fly to Tefé, a small village deep in the heart of the Amazon based on fishing and jungle military training. From Tefé, it’s only a two hour speedboat ride to “Reserva de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá“, the best spot in the Amazon a wildlife photographer could ever wish for. The lake Mamirauá and it’s protected surroundings forms a huge conversation unit founded in May 1999, a result of the effort and passionate work of Luiz Claudio Marigo, a wildlife photographer, and José Márcio Ayres, a phD biologist. Anyway, back to photography, bring your wide lenses, bring your telezoom lenses too, tripods, in fact, bring all you have! I mean it. Having a wide angle is essential to shooting beautiful sunsets with hundreds of black caimans on the water, but zoom lenses are also important for details on birds and other animals. Bring your macro/micro too, you will go crazy with the insects and frogs. If you are serious about wildlife photography, my suggestion is you spend AT LEAST 4-5 days in Mamirauá floating eco-lodge. The more the better, the show never ends. You will do speedboat rides and forest walks mostly. Cloathing is important, so plan accordingly, the mosquitos are not our friends. Visiting Mamirauá was no doubt one of the most amazing photo experiences in my life (perhaps the most amazing), extremely recommended for every amateur or professional wildlife photographer who wants to see the real Amazon. Here is a sellection of 12 Mamirauá photos I shot:

Rio de Janeiro Birdwatching, Parque Nacional de Itatiaia

O Estado do Rio de Janeiro possui diversos parques e áreas de proteção, ideais para fotos de aves e birdwatching. O Parque Nacional de Itatiaia é um dos melhores locais para observação de aves no Rio de Janeiro, rico em Mata Atlântica e Campos de Altitude. No final de março deste ano levei minha turma de fotografia de natureza lá para uma aula prática, foi ótimo. Todas as fotos de aves na minha galeria abaixo foram feitas nos entornos do Hotel do Ypê, que coloca frutas em comedouros de manhã cedo, e assim atraem muitas aves. Embora não seja ideal para o fotógrafo de natureza clicar as aves nos comedouros, ao se aproximarem elas pousam em diversos lugares, criando muitas situações de fotos naturais. Os animais na galeria são, repectivamente: Araçaris-banana, Ferro-velho, Coleirinho, Beija-flor-rubi, Tecelão, Sebinho ou Cambacica, Beija-flor-de-fronte-violeta, Saíra-sete-cores, Tietinga, Tico-tico, beija-flores diversos e Sanhaçu-cinzento. As fotos foram feitas com Nikon D3X e lentes 70-200mm 2.8 e 400mm 2.8, além de teleconverter 2x. Espero que goste! Entre em contato para saber mais sobre fotografia de aves e Rio de Janeiro birdwatching!

Atlantic Rainforest Birdwatching in Brazil

The State of Rio de Janeiro has many parks and protected areas, perfect for bird photography and birdwatching. Itatiaia National Park is one of the best places for birdwatching in Rio de Janeiro, rich in Atlantic Rainforest and Altitude Fields. By late March this year I took my wildlife photography students there, it was a very productive day. All birds in my gallery below were photographed around Ype Hotel, which places fresh fruits on feeders every morning to attract the local fauna. Though it’s not ideal for a wildlife photographer to shoot birds on feeders, it creates a lot of action and allows for many natural photos all around. Birds below are (respectively): Saffron Toucanets, Chestnut-bellied Euphonia, Double-collared Seedeater, Brazilian Ruby, Golden-winged Cacique, Bananaquit, Violet-capped Woodnymph, Green-headed Tanager, Magpie Tanager, Rufous-collared Sparrow, different hummingbirds and Sayaca Tanager. My pics were shot on Nikon D3X with 70-200mm 2.8 and 400mm 2.8 lenses with a 2x teleconverter. Hope you like it! Contact me if you are interested in wildlife photography and birdwatching in Rio de Janeiro!

Fotografia de Natureza na Amazônia

A Amazônia é a maior área verde do planeta, abrigo para incontáveis espécies exóticas, muitas ainda desconhecidas pela ciência. Sua incrível biodiversidade promove um orgasmo fotográfico, onde você pode ter qualquer lente, olhar para qualquer lado, e tem uma foto para ser feita. O que não quer dizer que não seja importante algum planejamento. O primeiro passo é fácil: escolha a Reserva do Mamirauá! Lá o negócio é sério, a mais pura experiência de uma Amazônia intocada possível. Você vai precisar voar para Manaus e depois para Tefé, uma pequena cidade no coração da Amazônia que gira principalmente em torno da pesca e de treinamento militar, com o Batalhão de Selva do Exército. De Tefé, são mais duas horas de lancha voadeira rio acima até chegar no Lago Mamirauá, na Reserva de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá. Se você ver alguns botos ou tucuxis pulando no caminho para o Mamirauá, não se preocupe, é assim mesmo. É um lugar incrível para fotografia de natureza na Amazônia. O Lago Mamirauá e seus entornos protegidos formam uma unidade de conservação gigantesca criada em 1999, fruto do trabalho de Luiz Claudio Marigo, fotógrafo de natureza, e José Márcio Ayres, biólogo. Enfim, traga suas grande angulares, suas lentes zoom, seu tripé, na verdade traz tudo! Uma grande angular é importante para um pôr do sol com centenas de jacarés-açu dentro d’água, e uma lente zoom essencial para closes em aves e outros animais. Traga uma macro/micro também, dá pra surtar com os insetos insanos, sapos e rãs. Se você leva a sério a fotografia de natureza, recomendo PELO MENOS 4-5 dias no lodge flutuante do Mamirauá. Quanto mais, melhor, lá o show nunca acaba. Você vai fazer principalmente passeios de barco e caminhadas na floresta. Os mosquitos não são nossos amigos, então planeje as roupas com cuidado. Passar um tempo na Reserva do Mamirauá foi uma das experiências fotográficas mais incríveis da minha vida (senão a mais incrível), recomendo muito para todos os fotógrafos de natureza, profissionais ou amadores! Lá em baixo vai uma seleção de 12 fotos minhas que eu gosto.

Brazilian Amazon Wildlife Photography

The Amazon is the largest green area in the planet, home to countless exotic species, many still unknown to science. It’s unbelievable biodiversity promotes a photographical orgasm, in which you can have any lens, look anywhere and there’s a photo to be made. That doesn’t mean you won’t need to do some planning, but it’s not that hard. First step in planning is: pick Mamirauá Reserve! This is the real deal, a true unspoiled Amazon experience created to last forever. You will need to fly to Manaus (Amazonas State capital city) and then fly to Tefé, a small village deep in the heart of the Amazon based on fishing and jungle military training. From Tefé, it’s only a two hour speedboat ride to “Reserva de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá“, the best spot in the Amazon a wildlife photographer could ever wish for. The lake Mamirauá and it’s protected surroundings forms a huge conversation unit founded in May 1999, a result of the effort and passionate work of Luiz Claudio Marigo, a wildlife photographer, and José Márcio Ayres, a phD biologist. Anyway, back to photography, bring your wide lenses, bring your telezoom lenses too, tripods, in fact, bring all you have! I mean it. Having a wide angle is essential to shooting beautiful sunsets with hundreds of black caimans on the water, but zoom lenses are also important for details on birds and other animals. Bring your macro/micro too, you will go crazy with the insects and frogs. If you are serious about wildlife photography, my suggestion is you spend AT LEAST 4-5 days in Mamirauá floating eco-lodge. The more the better, the show never ends. You will do speedboat rides and forest walks mostly. Cloathing is important, so plan accordingly, the mosquitos are not our friends. Visiting Mamirauá was no doubt one of the most amazing photo experiences in my life (perhaps the most amazing), extremely recommended for every amateur or professional wildlife photographer who wants to see the real Amazon. Here is a sellection of 12 Mamirauá photos I shot: