As Melhores Trilhas da Floresta da Tijuca

AS MELHORES TRILHAS DA FLORESTA DA TIJUCA

Veja aqui dicas sobre as melhores trilhas da Floresta da Tijuca no Rio!

O Rio de Janeiro realmente é uma cidade maravilhosa, abençoado com altas montanhas, lagoas e praias. O Parque Nacional da Tijuca é a maior floresta urbana do mundo, onde podemos curtir lindos visuais, trilhas e atrações. Neste post vou dar minhas dicas das melhores trilhas da Floresta da Tijuca. Gosto muito de todas as 6 que estou recomendando, especialmente por serem uma seleção muito pequena perto de todas as possibilidades do parque. Mas tendo que enumerar as opções, confesso que foi um pouco por ordem de preferência sim, então vamos começar com a minha favorita, a Pedra da Gávea.

1) Pedra da Gávea

As melhores trilhas do Rio de Janeiro

Trilha da Pedra da Gávea, uma das melhores trilhas da Floresta da Tijuca

A trilha da Pedra da Gávea é uma das mais fortes do Rio de Janeiro, mas também uma das que traz mais recompensas. Diz-se que a Pedra da Gávea é a maior montanha de granito na beira do mar do mundo. Sendo ou não sendo, ainda é um baita monumento natural e uma das montanhas mais impressionantes do Rio de Janeiro.

A Pedra da Gávea tem 844 metros de altitude e fica “entre São Conrado e a Barra da Tijuca”, no Setor C do Parque Nacional da Tijuca, que também engloba a Pedra Bonita. A subida é bem íngreme e leva aprox. 2:30 horas. Recomenda-se um bom preparo físico e uma certa disposição para encarar a famosa Carrasqueira, um trecho de pedra perto do cume com uns 15-20m de extensão.

Se você tiver intimidade com a montanha, pode subir sem guia. Se não conhecer legal a trilha ou não se sentir confortável em alturas, é bom contratar alguém leve equipamento de segurança para a Carrasqueira. Recomendo a RioXtreme, operadora de turismo de aventura carioca. O visual do topo é alucinante demais. Tente começar cedo para evitar o calor e o “crowd” na Carrasqueira. A trilha da Pedra da Gávea começa no final da Estrada Sorimã, na Barra da Tijuca.

2) Bico do Papagaio

Conheça as trilhas da Floresta da Tijuca

Bico do Papagaio no Parque Nacional da Floresta da Tijuca

O Bico do Papagaio sem dúvida está entre as melhores trilhas da Floresta da Tijuca. Com 987 metros de altitude, é uma das montanhas mais bonitas da cidade. Olhando de longe não parece nada demais, mas quando se chega perto, aquele pequeno pico de pedra se transforma em um gigante monumento. A trilha é moderada e pode cansar quem não tiver preparo. Com um bom preparo, é tranquila e leva aprox. 1:30 horas até o topo.

A trilha do Bico do Papagaio começa no Bom Retiro, o ponto mais alto que se chega de carro no Parque Nacional da Tijuca. A entrada no parque é pelo setor A, atrás da Praça Afonso Viseu, no Alto da Boa Vista. A trilha é bem marcada e não precisa de guia. A primeira parte da caminhada é a mesma do Pico da Tijuca, mas após uns 20 mins bifurca e você deve seguir a placa para o Bico do Papagaio.

Quando chegar no cume, não deixe de explorar, para conseguir o visual da foto acima. Você precisa descer uma seção de pedra e depois passar agachado ou deitado por uma fenda para acessar o local onde cheguei. Vale a pena, esse é O visual!

3) Pedra Bonita + Rampa de Voo Livre

As melhores trilhas da Floresta da Tijuca

Trilha do Pico da Tijuca com visita à Rampa de Voo Livre, uma das melhores trilhas do Rio

A Pedra Bonita fica no mesmo setor da Floresta da Tijuca que a Pedra da Gávea, o Setor C. Pensando na relação esforço por visual, sem dúvida é uma das melhores trilhas da Floresta da Tijuca e do Rio de Janeiro! A trilha da Pedra Bonita é fácil e leva aprox. 30 mins até o topo. O visual é sensacional, de frente para a Pedra da Gávea e com vista para a Zona Sul, a floresta e a Barra da Tijuca. O cume tem 693 metros de altitude.

Separe um tempo extra neste passeio para curtir a rampa de voo livre, pertinho de onde você vai estacionar o carro. É a maior curtição ver as decolagens de asa delta e parapente. A subida é pela Estrada das Canoas, em São Conrado, mas você também pode chegar por cima, se já vier por alguma estrada da Floresta da Tijuca. A subida da trilha fica logo antes do estacionamento, marcada por uma cabine do parque nacional.

Se quiser fazer o passeio mais completo ainda, tem também a trilha da Agulinha da Gávea que começa do lado da escadaria que leva pra rampa de voo livre. É uma trilha curta e íngreme, de aprox. 15 minutos. O cume não é tão espaçoso nem confortável, mas vale o confere.

4) Pico da Tijuca + Tijuca Mirim

Parque Nacional da Floresta da Tijuca

Pico Tijuca-Mirim no caminho do Pico da Tijuca, Parque Nacional da Tijuca

O Pico da Tijuca é a montanha mais alta da Floresta da Tijuca, com 1021 metros de altitude. Só não é a mais alta da cidade do Rio de Janeiro por conta do Pico da Pedra Branca, na Zona Oeste, que tem 1024 metros. A trilha começa também no Bom Retiro, no Setor A do parque, assim como a do Bico do Papagaio. Na bifurcação, com 20 mins de trilha, basta seguir a placa para o Pico da Tijuca. Esta trilha é leve / moderada e leva aprox. 1 hora até o topo.

Já mais perto do cume, você vai ver uma placa para a esquerda dizendo “Pico Tijuca-Mirim”. Vale a pena o desvio, que leva uns 5 mins apenas. Dali, a vista é até melhor que a vista do Pico da Tijuca, mais aberta e de frente para a Zona Norte da cidade e várias montanhas da floresta. Depois basta voltar até a trilha principal e chegar no topo do Pico da Tijuca, passando pela clássica escadaria de pedra. Do cume da montanha mais alta da Floresta da Tijuca, o visual da imensidão da floresta é a principal recompensa, razões pelas quais o Pico da Tijuca está entre as melhores trilhas da Floresta da Tijuca.

5) Cristo Redentor + Parque Lage

Parque Nacional da Tijuca, Floresta da Tijuca

Mansão do Parque Lage

O Cristo Redentor é sem dúvida uma das imagens mais conhecidas do Brasil e da América Latina, então não podia ficar de fora das melhores trilhas da Floresta da Tijuca. A famosa estátua de 38m de altura fica no topo do Morro do Corcovado, a 710 metros de altitude, no setor B do Parque Nacional.

A trilha do Cristo Redentor começa no Parque Lage, na Rua Jardim Botânico. Lá dentro, basta perguntar aos vigias que você acha fácil o começo da trilha, marcado por uma guarita do PNT. A subida leva entre 1:30h e 2 horas, dependendo do seu preparo. O começo da trilha é mais leve e pegando a primeira bifurcação pra direita, você passa por algumas cachoeiras, vale a pena. Da metade em seguida a trilha fica bem mais íngreme. Antes de começar a trilha, ainda no Parque Lage, não deixe de visitar a bela mansão antiga (da foto).

Perto do cume, você vai cruzar o trilho do tremzinho do Corcovado. Basta atravessar o trilho que a trilha segue bem em frente, e você termina a caminhada pela estrada que as vans usam para acessar o monumento. Lá em cima, é preciso comprar entrada por aprox. 28 reais. Para não se enrolar nas bifurcações do começo da trilha, você também pode contratar a RioXtreme, com ótimos guias.

6) Cachoeiras do Horto

Parque Nacional da Floresta da Tijuca

As melhores trilhas da Floresta da Tijuca

Para não dizer que “só o cume interessa”, vamos fechar com as quase-secretas Cachoeiras do Horto, pouco conhecidas por turistas, mas bastante frequentadas pelos cariocas, muitas vezes como um pós-praia para adocicar a vida. As opções na Floresta da Tijuca são quase infinitas, mas as principais cachus do Horto podem ser conhecidas em duas trilhas diferentes. Ambas são acessadas pela Rua Pacheco Leão, no Jardim Botânico.

A primeira opção são as Cachoeiras do Quebra e do Chuveiro. A trilha começa à direita (pra quem sobe) na beira da Estrada da Vista Chinesa, onde já vemos a Cachu do Quebra. Subindo esta trilha, você conhece outras cachoeiras e depois sai de novo na estrada, em outra saída mais pra cima. Pode descer pela estrada de volta que você vai encontrar a Cachu do Quebra. A segunda cachoeira é uma das mais famosas e bonitas, a Cachoeira do Chuveiro.

Outra opção também no Horto são as cachoeiras do Solar da Imperatriz. Basta seguir a Rua Pacheco Leão até o final que você vai encontrar o Horto Florestal, ou Solar da Imperatriz. A trilha que começa ali tem várias bifurcações e leva à várias cachoeiras. Pode explorar, mas com bastante cuidado pra não se perder, é bastante comum encontrar pessoas perdidas por ali.

Abaixo uma galeria com fotos variadas dos picos recomendados. Espero que goste!

E para finalizar, como estou recomendando as melhores trilhas da Floresta da Tijuca, aqui vão algumas informações úteis sobre o Parque Nacional:

Horário de visitação: 8h às 17h (18h no horário de verão)

Telefones: (21) 2492-2252 / (21) 2492-2253

Site oficial: www.icmbio.gov.br/parnatijuca

Como em qualquer ambiente natural, seja consciente das suas ações. Não faça barulho, leve seu lixo de volta e respeite a natureza. E aproveite a Floresta da Tijuca, ela é nossa!

Trilha da Pedra do Sino

Nascer do sol depois de subir a trilha da Pedra do Sino

Nascer do sol na trilha da Pedra do Sino, Parque Nacional da Serra dos Órgãos, lado Teresópolis

TRILHA DA PEDRA DO SINO

Saiba tudo sobre a Trilha da Pedra do Sino, no Parque Nacional da Serra dos Órgãos, Rio de Janeiro!

A trilha da Pedra do Sino, a montanha mais alta da Serra dos Órgãos, é muito procurada e sem dúvida uma das mais importantes no montanhismo nacional. É uma trilha “de respeito” mas que também é bastante acessível a todos. Aqui vão minhas dicas para você curtir bastante esse passeio:

Onde fica a Pedra do Sino?

A Pedra do Sino fica no Parque Nacional da Serra dos Órgãos, no lado Teresópolis. A Serra dos Órgãos fica no estado do Rio de Janeiro e faz parte da Serra do Mar.

Como chegar na Serra dos Órgãos?

Para quem vai do Rio de Janeiro, você precisar pegar a Linha Vermelha, depois a saída para Petrópolis/Teresópolis (BR-040) e depois a saída para Teresópolis (BR-116). Assim que terminar de subir a serra, quando chegar no mirante do Dedo de Deus, basta fazer o retorno à esquerda e seguir como quem vai para dentro de Teresópolis. A entrada do parque fica à esquerda depois de uns 5 minutos. É preciso passar dela, fazer o retorno e voltar, pois a entrada fica numa curva e é perigoso cortar a pista da esquerda (contra-mão). Link do GoogleMaps.

Onde começa a trilha da Pedra do Sino?

Chegando no Parque Nacional da Serra dos Órgãos, do lado de Teresópolis, basta seguir até a Barragem, um ponto dentro do parque. É na Barragem que começa a trilha da Pedra do Sino. Estacionar na Barragem só é permitido para quem vai passar o dia. Se você for dormir, deve deixar o carro no hotel, uns 10 mins a pé antes da Barragem (podendo até ser multado se o carro pernoitar na Barragem).

Qual a distância da trilha da Pedra do Sino?

Da Barragem até o cume da Pedra do Sino são 12km. Ida e volta são 24km. Da Barragem até o Abrigo 4 (Abrigo do Sino) são aprox. 11km, mais aprox. 1km até o topo da montanha.

Qual a altitude da Pedra do Sino?

A Pedra do Sino tem 2275m de altitude. É a montanha mais alta da Serra dos Órgãos.

Qual o nível de dificuldade da trilha da Pedra do Sino?

A trilha da Pedra do Sino é considerada avançada, principalmente por ser bem longa (aprox. 4 horas até o Abrigo 4) e pelo fato das pessoas fazerem com bastante peso, em geral com mochilão para pernoitar ou até fazer a travessia. Um bom preparo físico é recomendado. No entanto, a trilha não apresenta grandes dificuldades. Tem vários pontos de água para encher as garrafas e a inclinação é sempre suave. Não há nenhum trecho onde precise usar as mãos e nenhuma subida muito íngreme. A trilha é bem aberta, uma “avenida” para os montanhistas.

Recomendações antes de começar a trilha da Pedra do Sino?

– Leve pouca água, no máximo 1 litro por pessoa, pois você vai poder encher a garrafa no caminho, assim você leva menos peso.

– No verão, tenha muito cuidado com tempestades, é a temporada mais perigosa, veja muito bem a previsão antes de ir! Na temporada de montanhismo, entre abril e setembro, é necessário agendar a trilha da Pedra do Sino e os pernoites com antecedência, é muito comum o abrigo ficar lotado e não haver mais vagas.

– Use calçado adequadro. Uma boa bota/tênis de trekking é fundamental. Se o calçado estiver novo, tente “amaciar” ele antes fazendo outras trilhas, senão vão surgir umas bolhas no pé com certeza.

– Se prepare para o frio do inverno! É muito frio mesmo e as temperaturas vão abaixo de zero. No inverno é normal vermos trechos da trilha com gelo, folhas e arbustos congelados. Leve um saco de dormir bem potente (recomendo -15º no extremo), luva, gorro, segunda pele, tudo que você tiver!

– Leve comidas desidratadas e não leve penelas/pratos nem utensílios de cozinha. Isso você pode usar os do abrigo, que também tem fogão. Isso se você tiver reservado o abrigo (beliche ou bivaque). Se você for acampar, precisa levar tudo :(

Precisa dormir no parque para fazer a trilha da Pedra do Sino?

É possível fazer a trilha da Pedra do Sino em um dia, começando cedo e descendo no final do dia. Não esqueça de deixar a mochila no Abrigo 4, assim você sobe o Sino mais leve. No entanto, não é recomendado. Eu particularmente acho muito cansativo, e você ainda perde os dois momentos mais belos, que são o nascer e o pôr do sol. Portanto, vale a pena dormir uma noite no Abrigo 4, o abrigo da Pedra do Sino.

Devo levar meus filhos para a trilha da Pedra do Sino?

Sempre vejo muitas crianças nesta trilha. No entanto, é importante estar preparado e as crianças devem ser “disposição”, senão vai ter reclamação na certa. Se seus filhos curtem uma aventura, esse é um passeio muito bom para fazer em família. Tente aliviar o peso das crianças para não ser cansativo demais para eles.

Como faço minha reserva para a trilha da Pedra do Sino?

Você precisa reservar com antecedência e pagar pelo cartão de crédito. Aqui vai o link do site oficial do Parque Nacional da Serra dos Órgãos, onde você deve fazer sua reserva. É caro mesmo, não se assuste. Vale a pena pagar pelo banho quente, o frio é impossível! Aqui vai a ordem, do melhor para o pior: beliche -> bivaque -> camping. Tente sempre começar pelo beliche. É muito mais confortável dormir em uma cama e você não precisa nem levar isolante térmico, e no quarto do beliche são só 6 leitos, ou seja, 3 beliches. O bivaque é a segunda opção (precisa levar isolante térmico), e você pode dormir (ou tentar) em um quarto com 20 pessoas, algumas delas roncando bem alto. Por fim, sobra o camping, que é sempre minha última opção, já que prefiro subir a trilha mais leve, sem barraca nem utensílios de cozinha.

Dicas fotográficas para a trilha da Pedra do Sino:

– Vou começar com uma dica que eu nunca sigo, que é: leve pouco equipamento para subir leve! Eu acabo sempre subindo com 1 camera FX + 3 lentes 2.8, tripé, baterias e filtros. Se você for fotógrafo profissional, ignore esta dica :)

– Leve um tripé para fotos noturnas. Da última vez, dei a sorte (não sei se é assim o ano todo) de pegar a Via Láctea bem atrás do abrigo, por volta das 20h, antes da lua nascer. O resultado ficou bem bacana, com as barracas de camping na frente do abrigo e o céuzão estrelado ao fundo.

– Fotografe em RAW. O contraste de sombras e highlights é muito grande, com montanhas cheias de floresta (sombras) e nuvens claras (highlights). No arquivo RAW, se você acertar a fotometragem, dá para recuperar bastante informação.

– Atenção especial para o nascer do sol! Achei bem mais fotogênico que o pôr do sol. Vale a pena acordar bem cedo e subir a trilha ainda na penumbra, para pegar o espetáculo completo lá de cima. Fotos com os Três Picos ao fundo, com o contraste das pessoas contra as nuvens, funcionam muito bem. Um filtro gradual pode ajudar a não estourar tanto o céu.

– Fotografe tudo! Durante a trilha, há belas bromélias, cachoeiras e plantas características da região. Olho aberto para fazer uma documentação completa do seu passeio.

Espero que curta minhas dicas! Abaixo uma galeria com fotos da minha última subida na trilha da Pedra do Sino: